• Ensaio Crítico

Cannes se pronuncia sobre prisão de Jafar Panahi no Irã

NOTÍCIA Em nota, a organização do Festival de Cannes condena a "onda de repressão em andamento no Irã contra seus artistas"

Segundo a agência de notícias Mehr, o cineasta iraniano Jafar Panahi foi preso nesta segunda-feira, 11 de julho, quando estava a caminho do julgamento de Mohammad Rasoulof (diretor de There Is No Evil) e de seu colega Mostafa Aleahmad no Ministério Público de Teerã. Eles foram acusados de "alterar a ordem pública". Agora há pouco, o Festival de Cannes publicou nota exigindo a liberação de ambos. Confira:


Na sexta-feira, 8 de julho de 2022, os cineastas iranianos Mohammad Rasoulof e Mostafa Aleahmad foram presos em um local desconhecido por protestar contra a violência contra civis no Irã. Mohammad Rasoulof já estava privado da sua liberdade de movimento e de trabalho desde 2017, na sequência da exibição do seu filme A Man of Integrity, vencedor do Prémio Un Certain Regard na 70ª edição do Festival de Cannes. Seus filmes Manuscripts Don't Burn, que ganhou o Prêmio Fipresci em 2013 e Goodbye, que ganhou o prêmio de Melhor Diretor no Un Certain Regard em 2011, também foram exibidos em Cannes. Posteriormente, ele ganhou o Urso de Ouro no Festival de Berlim em 2020 com There is No Evil.


Hoje, segunda-feira, 11 de julho, o cineasta iraniano Jafar Panahi também foi preso em Teerã. O realizador apresentou inúmeros trabalhos em Cannes, entre os quais Three Faces, que foi selecionado em Competição em 2018 e premiado com o Prémio de Melhor Argumento, e Ouro Carmesim, que ganhou o Prémio do Júri em Un Certain Regard em 2003. Jafar Panahi também ganhou o prémio Urso de Ouro na Berlinale em 2015 por seu filme Taxi.


O Festival de Cannes condena veementemente essas prisões, bem como a onda de repressão obviamente em andamento no Irã contra seus artistas. O Festival pede a libertação imediata de Mohammad Rasoulof, Mostafa Aleahmad e Jafar Panahi.


O Festival de Cannes também deseja reafirmar seu apoio a todos aqueles que, em todo o mundo, são submetidos à violência e à repressão. O Festival permanece e continuará a ser um refúgio para artistas de todo o mundo e estará incansavelmente ao seu serviço para transmitir as suas vozes em alto e bom som, em defesa da liberdade de criação e da liberdade de expressão.